Notícia

  • Transferência de renda a famílias vulneráveis sobe de 25 mil para 33 mil kwanzas


    O programa KWENDA, que tem como característica principal a transferência directa de renda para famílias em situação de vulnerabilidade e pobreza em Angola, prevê aumentar o valor da renda trimestral de 25 mil kwanzas para 33 mil kwanzas.

    “Esta é uma decisão que já foi tomada. O valor deverá crescer para 11 mil, por mês. No entanto, é necessário determinar o “timing” correcto em que essa medida deverá ser materializada", afirmou nesta quinta-feira, 13 de Março, o director-geral do Fundo de Apoio Social (FAS)-Instituto de Desenvolvimento Local, Berlamino Jelembi.

    O responsável avançou esta informação à imprensa, após a primeira Reunião Ordinária da Comissão Intersectorial de Coordenação do Programa de Fortalecimento da Protecção Social KWENDA, orientada pela ministra de Estado para a Área Social, Dalva Ringote Allen, a fim de analisar o estado de implementação do referido programa até Março de 2023.


    Berlamino Jelembi referiu que três anos depois da sua implementação, o programa KWENDA torna-se num mecanismo seguro, transparente e eficaz de transferência directa de renda para famílias em condição de pobreza e vulnerabilidade no país.

    “Também gostaríamos de registar, nesta altura, que está também gerada uma capacitação institucional importante, porque estamos a falar de um programa que cumpre regras e procedimentos internacionalmente estabelecidos e tem estado a ser cumprido, na íntegra, por quadros angolanos e uma instituição pública angolana", realçou.

    A seu ver, trata-se de um avanço fundamental para fortalecimento das instituições a nível local e criação de um processo robusto de capacitação de quadros.

    “Para além do apoio directo às famílias, em matéria de transferências de renda, inclusão produtiva (…), há também, em paralelo, um processo de fortalecimento de capacidades no sentido de, a médio e longo prazos, continuarmos a ter condições de gestão dentro de padrões internacionalmente aceites para programas de grande dimensão”, sublinhou o director-geral da FAS.

    Com vista a promover direitos económicos e sociais a um grupo alvo determinado, o programa KWENDA já cadastrou mais de um milhão de famílias nas 18 províncias, sendo 61 municípios, 214 comunas e mais de 90 bairros e aldeias.

    “O cadastramento é feito casa a casa, com georreferenciação. Portanto, (...) nós temos uma base de dados muito robusta, com mais de 3 milhões de pessoas com diferentes categorias de vulnerabilidade”, esclareceu Berlamino Jelembi.